Ainda a festa











Mesmo a destempo coloca-se este post sobre as festas...
Este ano não houve os clicks certeiros do fotógrafo do costume, houve apenas os clicks do Regedor, que só incluem reportagem da procissão.
Mais fotos também aqui pela dupla JC/Paulo Garcia.
Este ano menos gentes nas ruas, na barraca, no adro e no jardim, talvez pela chuvada antes da procissão e pelo tempo instável. Estive nas Festas do Pico da Pedra e também pouca gente, mas aí com um tempo magnífico. As festas estão em crise...

Comentários

Silva disse…
Complemente de fotos noutra prospectiva!......


Qual clix, isto está mais que bom. É um complemento ás do JC, que logo correram o mundo e fizeram matar saudades aos nossos imigrantes espalhados pelos cinco continentes. Há e já agora se o nosso Regedor coloca-se uma só foto a fazer de capa e as restantes fazia como faz o nosso amigo JC, tonava-se menos moroso, a quem quer ler, ter que rolar todas elas.
Quanto ás festas terem pouca gente, eu também achei, mas na procissão não havia razão para tal, a juventude do Porto Formoso, não está na onda para estes inventos, claro sinais dos tempos.
Um bem haja.
JAGPacheco disse…
JARDIM FORMOSO*

A procissão em honra de Nossa Senhora da Graça, todos os anos, é acolhida com coloridos tapetes de flores ou aparas cuidadosamente pintadas. E com lindíssimas colchas nas janelas.
No Domingo da Festa, o povo do Porto Formoso emoldura as suas ruas com as mais formosas flores, as “urtigas”.

As “urtigas” são plantas ornamentais cuja região de origem é o Sudoeste Asiático. Pertencem a uma família de plantas a (Lamiaceae) onde, entre muitas outras plantas, se inclui por exemplo a hortelã. Tem o nome científico actual de (Solenostemon soutellariodes), mas também já foram classificadas com o nome genérico de (Coleus). O nome vulgar “Urtigas” como são comummente conhecidas no Porto Formoso deve provir do Inglês, onde são conhecidas por “Flame Nettle” ou “Painted Nettle”.

As suas folhas são grandes, macias e podem apresentar diversas cores e combinações entre amarelo, vermelho, rosa, roxo, verde e castanho. É interessante observar que as cores das folhas podem formar degradeés ou contrastar bruscamente. As flores azuladas surgem em inflorescências do tipo espiga, acima da folhagem, em qualquer época do ano e têm importância ornamental secundária.
Deve ser cultivada sob pleno sol ou meia sombra, em substrato bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Adubações a cada 15 dias são suficientes para que a planta cresça bonita. Apesar de perene, a urtiga deve ser replantada anualmente, pois perde a beleza com a idade. Multiplica-se por sementes e estacas de caule e rebentos.

Pelas suas cores vivas e vistosa folhagem á muitos anos que são cultivadas nos Açores. Nos jardins, formando maciços ou conjuntos, além de bordaduras junto a muros, em pátios e varandas, ou numa janela bem eluninada.

Com a chegada ao Porto Formoso em 1965 do Padre Afonso Quental (já falecido) a tradição de enfeitar os lados das ruas com os aromáticos “incensos”. Foi sendo substituída aos poucos pela beleza colorida das “urtigas”. As variedades existentes na época (sobretudo tonalidades amarelas) terão sido enriquecidas por sementes enviadas pelos nossos emigrantes, dos Estados Unidos e Canada.

A data da sementeira, (por altura da Páscoa) o transplante para os vasos definitivos, os tipos de adubação, a exposição á luz do sol, as regas frequentes, a conservação das sementes até ao ano seguinte. São tudo técnicas que não constam de manuais de floricultura. Mas que a gentes do Porto Formoso, aperfeiçoaram ao longo de muitos anos.

Tudo isto se conjuga para que as “urtigas”, no Domingo da Festa, estejam no máximo da sua pujança e beleza.
Esta tradição felizmente continua bem viva entre nós!

*A bonita frase do título é da autoria do Bloger Sá Couto mas, certamente, o professor terá a bondade de não se importar.
virafoto disse…
.................Quem não caça com cão caça com gato...................




..........Assim é que se faz, ó meu Regedor, se não aparece o cão levamos o gato, olha que a caça não foi mau, ficou foi muito tempo pelo caminho, mas já cá está também não havia razão de queixa já tinha-mos matado saudades, valeu-nos o JC, para um Blogo basta estes clix.
Obrigado

...........O nosso Bloguista JAGPacheco, prendou-nos, com grande lição de "Botânica?"tudo bem explicado, sobre "urtigas"actualmente não conheço outras freguesias a comparar com o Porto Formoso. Sei que ficou mais acentuado, desde que calcetaram a freguesia, até ai usava-se os ramos de icenço há mistura com outras variedades de plantas, nas quais as "urtigas" embora em poucas quantidades, onde se destacava em maior quantidade era no Outeiro em frente da casa do Srº. José Bloto quase em frente ao " Restaurante o Amaral" houje, imigrante no Canada, foi "o primeiro jardim do Porto Formoso" só de "urtigas"que fazia inveja a muitos paroquianos!...
Bem haja para aqueles que as trabalham.
O Regedor disse…
Caro JAGPacheco,
gostei de saber tudo isto sobre as urtigas, as quais merecem destaque pois são um complemento muito bonito e único no embelezar dos caminhos. Talvez sejamos o único local do mundo onde se utilize as urtigas nesta situação.

Ha uns anos tirei umas fotos aos caminhos que estavam lindos, mas agora fiquei com vontade de tirar uma foto de cada variedade.
Fico com uma dúvida: quantas varieades (ou espécies) exitem? Assim a olho, pelo que vi deste ano, pelo menos quatro...

Cumprimentos
JAGPacheco disse…
A “Urtiga”originou-se da hibridação de espécies do género Solenostemum, e actualmente conta com numerosas (variedades) cultivares. As quais foram sendo seleccionadas pelo colorido e forma variados das suas folhas.
Apesar de no Porto Formoso existir uma grande variabilidade de cores e de recortes das folhas ou seja folhas mais ou menos recortadas ou “serrilhadas”. Seria necessário um estudo morfológico e até genético, para se poder afirmar que existem cultivares características deste lugar.
Fazendo uma consulta Google: “coleus fotografia” poderem-mos ver inúmeras variedades de urtigas que facilmente se encontram nas ruas do Porto Formoso.
Apesar de se cultivarem urtigas no Porto Formoso á mais de 40 anos. Nunca terá havido o isolamento suficiente para o aparecimento de uma nova variedade de urtiga. A facilidade de adquirir sementes no mercado local, associado a uma forte ligação aos emigrantes dos Estados Unidos, colocaram o Porto Formoso sempre a par das novas cultivares lançadas no mercado.

Como pragas as urtigas do Porto Formoso sofrem ataques de afídeos (pulgões verdes), mas os ataques mais devastadores serão perpetrados pelas “lagartas”. Que obrigam á utilização mais ou menos frequente de insecticidas. No entanto nunca se registou (que eu tenha conhecimento) um ataque por vírus.
As viroses são muito frequentes e causam grandes prejuízos a esta cultura na China, país onde as urtigas são abundantemente cultivadas e muito apreciadas.
Vem agora a propósito chamar a atenção aos Porto Formosenses, para NUNCA trazerem, principalmente do estrangeiro, plantas de urtiga. Pois junto com elas podemos estar a trazer inadvertidamente muitas doenças associadas, que chegando ao Porto Formoso facilmente se propagam às plantas aqui existentes.
As sementes são mais fáceis de transportar e muito mais seguras!

O Regedor tem razão esta “exposição colectiva” de urtigas com que, o povo do Porto Formoso, brinda a passagem da Imagem da sua Padroeira. Será um acontecimento único, até mesmo nível mundial.
Valendo acima de tudo o empenho e a dedicação de toda uma comunidade ao cultivo de tão bonita planta.
aguia disse…
Os autarcas do Porto Formoso que foram na procissão tinham na lapela um emblema com os símbolos da freguesia.
Parece que não há emblemas destes para mais ninguém porque não os vi durante as festas.
Os nosss emigrantes ficaram muito satifeitos com o Kit que a junta de freguesia lhes ofereceu. Só foi pena não se verem bandeiras do Porto Formoso hasteadas em casas particulares
Silva disse…
Concelho da Ribeira Grande o que tem mais gripe A, dos Açores.


Só na Escola da Maia foram detectados 40 casos esta semana entre alunos, auxiliares e professores, conforme noticia avançada hoje, no Açoriano Oriental. Devia o Delegado de Saúde deste concelho, mandar encerrar temporariamente esta escola e determinar ás autoridades competentes, vijiar se as ordenes dadas, pelo centro de saúde, se são cumpridas à risca. Vejam só no que dá a casmurri-se de muita gente, mais acentuado nos meios rurais, isto não é caso para brincadeira, e ainda não chegou ao tempo pior, espero ser terrível, se não houver precaução, neste sentido.
Haja ponderação.
Sá Couto disse…
A, de Avestruz, ou seja, meter a cabeça na areia.

A Escola da Maia, que é a “nossa” Escola - Zona Oriental do Concelho – tem um número exagerado, e vergonhoso, de casos de Gripe A.
Compete aos órgãos de gestão da Escola e não à Delegada de Saúde da Ribeira Grande, o seu encerramento.

Estamos a ser o enxovalho nacional.

Com tantas dezenas de casos de Gripe A na “nossa” Escola da Maia, o Conselho Executivo, o Conselho Pedagógico e a Assembleia de Escola, só podem estar à espera que seja Durão Barroso a mandar fechar a Escola.
Outra hipótese será: quando todos estivermos infectados, então o Executivo e o Delegado de saúde de Ilha deverão reunir para saber se se deve ou não fechar a Escola da Maia. – quem sabe se só se pode fechar a Escola após as Eleições?
Tenham paciência.
Não deve haver lugar a tanta falta de bom-senso, quando as Escolas têm Autonomia.

Fechem a Escola, pura e simplesmente.
O Regedor disse…
Caros bloggers,
a propapagacao da gripe A no concelho da Ribeira Grande é a mais elevada do país.
Não pensem que o vírus é mais transmissivel na ribeira grande do que nos outro locais. Não, o problema é que ha mais pessoas burras, incultas e irresponsáveis do que em qualquer outro concelho do país.

Tenho dito.
Silva disse…
Noventa por cento da gripe "A" nos Açores é em São Miguel


Conforme noticia hoje avançada pelo Açoriano Oriental, 90 por cento da gripe está localizada em São Miguel, o caso não será para brincadeira, se não se tomar medidas mais seguras. Claudéte Rodrigues, responsavel pela escola da Maia diz competir ao Delegado de Saúde do concelho encerrar temporáriamente aquele estabelecimento.

Veja-se ao tamanho desleixo, que isto está a chegar, há um caso em que o utente tem a gripe "A" e vai ele próprio, à farmácia haviar os medicamentos, sem qualquer protecçao "máscara"culpa de quem talvez dos centros de saúde que de imediato deviam isolar o utente e enviar equipa fornecer medicamentos.
Se não se tomar medidas mais seguras, como nos transportes públicos, super mercados e outros estabelecimentos de grande aglomerado pessoal, ser obrigatório terem mascaras, luvas descartáveis, disponíveis a fim de os utentes se serviam na ocasião, a coisa poderá tomar outros contornes com a entrada do tempo mais frio.

Falavam os mais antigos, que numa das ultimas pestes, que por cá passou no Porto Formoso, foi tal que tinham de por Melícia à porta a fim de evitar que pessoas não autorizadas entra-sem e em caso de falecimento só o pessoal autorizado com mascaras é que tratavam do assunto, veja-se quanto casmurras eles eram, ser preciso Melícias.
Nós somos os duros!............
falange disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
falange disse…
Sinto, mas não sei descrever ao certo o que é!

- Ontem não sentias isso, pois não?
- Ontem, não. A sério!
- Olha, a única e última coisa que tenho a dizer-te sobre o que sentes mas nao sabes o que é, de certeza que são Sintomas de alguma alteração fisica ou emocional tua!

Sinto+ mas = sintomas.

Definição de sintomas: aquilo que de repente se começa a Sentir, mas que em simultâneo não sabemos o que é!!!!!!!
Ao contrário, seria "Massinto", o que não deixa de ser verdade...realmente sentimos!

Sabendo que a época da Gripe, que não é A, está a chegar por via sazonal, e sabendo que a A, embora tenha um "H" e um "N" e dois "uns" no nome do vírus -, é necessário estar atento a todos os sintomas gripais que não começem por estas letras e que podem ser mais do que dois.
Sendo A é a primeira vogal de um alfabeto rico em consoantes, em que a H existe apenas para não a pronunciarmos, onde a N pode insinuar que tudo começa do Nada, e que a infinidade dos numeros começa no 1, encontro no vírus H1N1 A gripe.
Apesar de ter o wikipédia a uma distância quase insignificante, levei mais tempo a procurar uma definição, que tornasse diferente e mais desanuviada a forma de encarar esse flagelo que atormenta, actualmente, a realidade social açoriana. Tenho a impressão que não atingi esse objectivo. Adiante.
Recorrendo à wikipédia, lá encontrei que o vírus dessa gripe pertence à familia orthomyxovridae, do Genero- Influenza A e com o subtipo H1N1. O H dá nome à hemaglutinina e o N à neuraminidase.
Numa comparação à familia homonidiae, à qual todos nós pertencemos, também somos todos de género homo, embora no que toca à especie, nem todos nós somos sapiens.
Numa situação como esta, a da gripe A, se calhar não basta ser apenas homo sapiens, é necessário ser-se duas vezes sapiens. A sapiência para contornar as vicissitudes dessa "epandemia" poderá ser o melhor remédio para vencer essa guerra.

Um abraço
aguia disse…
Manuela no seu melhor




Assim, se a chegar ao Governo, a dra. Ferreira Leite extinguirá o pagamento especial por conta que a dra. Ferreira Leite criou em 2001; a primeira-ministra dra. Ferreira Leite alterará o regime do IVA, que a ministra das Finanças dra. Ferreira Leite, em 2002, aumentou de 17 para 19% ; promoverá a motivação e valorização dos funcionários públicos cujos salários a dra. Ferreira Leite congelou em 2003; consolidará efectiva, e não apenas aparentemente, o défice que a dra. Ferreira Leite maquilhou com receitas extraordinárias em 2002, 2003 e 2004; e levará a paz às escolas, onde o desagrado dos alunos com a ministra da Educação dra. Ferreira Leite chegou, em 1994, ao ponto de lhe exibirem os traseiros. No dia anterior, o delfim Paulo Rangel já tinha preparado os portugueses para o que aí vinha: "A política é autónoma da ética e a ética é autónoma da política".»


Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 28 de Agosto de 2009.
certo disse…
A bendita autonomia das escolas, que tanto custou a um bom punhado de bons professores, não deve agora ser usada de forma pouco adequada na promoção do encerramento das ditas escolas. Fechar a escola da Maia, tendo em conta aspectos epidemioógicos, seria um erro! As Pandemias também se caracterizam pelos surtos. Quando se fala em surto de gripe referimo-nos a uma tríade, ambiente, agente e hospedeiros que estão identificados e que por definição não são passíveis de nova repetição. "Diferentemente" dizendo, o surto aconteceu nos primeiros 4/5 dias de aulas pelo que esta semana já não se justificava o encerramento da escola. Os hospedeiros, caso a escola encerrasse apenas seriam transferidos de lugar, levando consigo o agente para um novo ambiente. Politicamente foi já definido que a prioridade já não é a prevenção, mas sim o tratamento das pessoas infectadas com o vírus H1N1. Ou seja, o mais importante é identificar precocemente as pessoas infectadas e não partir do principio de que todas poderão estar infectadas. Um exemplo concreto desta política (que de politica tem pouco, mas sim de ciência) é o facto de que serão os profissionais de saúde os primeiros a serem vacinados e não as crianças ou idosos. Aposto que durante esta semana já houve uma redução drástica de novos infectados nesta escola (algo que só será possível de avaliar na próxima semana).

Associarmos uma alta taxa de incidência desta doença à forma como as pessoas do "norte" são é caso para dizer/questiona - O que têm contra o padre Leonardo por achar que a população não vale a ponta de um corno!?
Estão a dizer a mesma coisa por outras palavras!!!!!!!!!!!

O problema reside nos planos de contigência das escolas que existem "para que existam". Continuam a ser pouco específicos e objectivos, exceptuando a identificação do fucionário e sala para os possíveis infectados.

Deixem-se de alarmismos desnecesários e:
- Lavem as mãos
- Não se cumprimentem (fisicamente)
- Não se aproximem muito menos de 1 metro de outras pessoas
- Não usem as pontas dos dedos para coisas como as teclas do multibanco
- Professores, não peçam trabalhos de grupo
- Não vão a ambientes com muita gente e pouca ventilação
- Leiam mais acerca da doença e
- telefonem para a linha de saúde açores (808246024)


Professor Sá Couto, a ministra da saúde foi publicamente elogiada pela presidente da OMS pelo que não creio que esta tenha qualquer receio em telefonar à Maria de lurdes para ordenar o encerramento de uma escola.
Talvez faça mais sentido criticar o Conselho de administração do Centro de Saúde da Ribeira Grande por não ter destacado ainda um profissional de saúde para estar, a tempo inteiro, na escola da Maia.
O Regedor disse…
atchim!!!!!
Atchim!!!
JASRAPOSO disse…
Eleições no Porto Formoso:

PS............. 306 Votos
PSD............ 115 Votos
nancya disse…
Nao sei porque mas voces sempre fala de politica neste blog. Antes eu gostava de vir para a casa da mosca para ver o que se passava no porto formoso, as fotos, os comentarios. Mas agora ja nao venho muitas vezes porque voces falam sempre de politica.
O Regedor disse…
Cara nancya,

em Portugal haverá 3 eleições este ano, por isso, é normal que se fale em política. As próximas são as autárquicas já no próximos mês de Outubra para eleger o Mayor cá do burgo.
É inevitável, mas pode-se sempre desligar a TV ou a net e ouvir música. Às vezes, é o melhor que se pode fazer...
Silva disse…
Porquê só os maiores


Não vejo porque é que só dão a contabilidade dos dois maiores partidos, ou será que os outros não contam, penso que o eleitorado gosta de saber das outras forças, concorrentes, ou então não há outros?... Não acredito. Ou então deliberadamente fazem como se não contá-se para a freguesia os restantes que ainda são alguns!.......

Mensagens populares deste blogue

Trilhos pedestres no Porto Formoso, onde?

Águas Medicinais da Ladeira da Velha