« Home | O império reerguido » | Enquanto não chega o Império dos Moinhos... » | Obras da SCUT no Porto Formoso » | Bandeira vermelha » | Arco-íris » | Lixo e água » | Dose tripla » | Em obras... » | Terminologia Agrícola do Porto Formoso » | Eco-Freguesia em vez de Lixo-na-freguesia »

Democracia no Porto Formoso


Rua Francisco M. Faria e Maia, Porto Formoso, noite de 16/02/1986

A 16 de Fevererio de 1986, Mario Sores vencia a segunda volta das eleições presidenciais contra Freitas do Amaral por uma diferença de cerca de 2% após ter perdido na primeira volta.
O Porto Formoso vivia, em pequena escala, os reflexos da crispação política e ideológica da época, com uma grande divisão entre a direita e a esquerda. Nesta altura, os portoformosenses colavam cartazes, pintavam símbolos partidários no caminho e nos postes de luz, iam a comícios e festejavam as vitórias do seu partido.
Estas fotos, referem-se aos festejos da vitória de Mário Soares em 1986 por alguns dos seus simpatizantes no Porto Formoso. Reparem na reconstituição que é feita de um funeral: o pormenor do caixão que continha a foto de Freitas do Amaral, as velas, a coroa de flores e as gravatas pretas próprias do momento. Em contraste, a alegria genuína pela vitória (sem a espera de um "tacho"), as bandeiras de "Soares Presidente" e os gritos de "Soares é fixe!".
Uma foto com muitos conhecidos e alguns já falecidos que deixam saudade.

Era um tempo de lirismo político em que os eleitos locais nada ganhavam e vestiam a camisola com o gosto de servir a sua terra. Hoje a grande maioria dos eleitos está ao serviço de interesses que muitas vezes ninguém conhece. Tudo isto leva à grande abstenção que se verifica nas eleições

Fui à Praia dos Moinhos neste fim-de-semana, a primeira vez este ano.
Está tudo igual ao ano passado tirando uma coisa...
Antigamente os donos das casas com obras ilegais que confrontam com a praia a norte ainda tinha alguma vergonha e medo de serem multados e tinham acessos à praia encondidos por entre as canas. Este ano perderam a vergonha e construiram DEGRAUS EM CIMENTO e JARDINS IRRIGADOS a ligarem as casas à praia, onde é terreno publico e proibido construir.

A câmara e a junta e o ambiente assobiam para o lado...

adeus

O Governo, a Câmara e Junta de Freguesia assobiam para o lado com aquilo que se passa na Ribeira do Lugar. Ninguém pode estar no Jardim ou passar na rua tal é o cheiro que vem da ribeira, a porta do edifício do Cantinho do Cais, que foi comprado pelo Governo, foi metida dentro e em pouco tempo vai tornar-se um centro de tráfico de droga e de outros males.
Ninguém olha a isto. Só aparecem interessados em defender a freguesia é na campanha eleitoral, depois metem-se em casa.

No Telejornal da RTP-AÇORES saíu uma reportagem sobre o estado em que se encontra o parque de campismo das Sete Cidades.

Os vândalos destruiram quartos de banho, instalações sanitárias, etc.

Começo a perguntar-me se valerá a pena termos um parque de campisno nos Moinhos para nos virmos a debater com situações semelhantes no futuro.

Este fim de semana passarem no nosso porto um série de motas-de-água. Apesar de outros se oferecerem para porto de abrigo, não há dúvida que é esta freguesia que oferece melhores condições na costa Norte

Um jornal diário deste fim de semana informa que vão ser construídos quarenta apartamentos na zona do Chá do Porto Formoso. Faço votos para que este investimento fique bem inserido na paisagem e não se transforme num marracho.

O Dr. Luís Anselmo escreveu uma crónica hoje, no Correio dos Açores, que merece ser lida com atenção.

Vamos transcrever dois parágrafos.

Nos Açores, desde há alguns anos, que prevalece uma ideia peregrina que o desempenho e acção das autarquias mede-se pelo barulho das bandas musicais de fora e das festas, pelos quilos de massa sovada ou pelos minutos de fogo de artifício. E não pela qualidade da água, do ambiente, dos serviços aos munícipes, da celeridade dos processos, do saneamento básico, do parque escolar e das condições de habitabilidades especialmente dos mais carenciados.
E depois assiste-se ainda a disputas festivaleiras entre o governo, via Portas do Mar e a autarquia de Ponta Delgada, via Anima. Ora um traz cá a Mariza ora o outro traz o Rui Veloso. Uma toada de parada e resposta, com o nosso dinheiro pelo meio.

O Governo Regional lançou a primeira pedra para a construção de mais uma piscina na Ribeira Grande. Só não há dinheiro para fazer as coisas básicas no Porto Formoso. A Junta de Freguesia e a Assembleia com estes lindos dias de Verão assistem a isto tudo sem abrirem a boca. Belos eleito que temos na freguesia.
A mesma apatia e resignação invadem todas as pessoas que nada fazem para que este marasmo mude

Um post sobre democracia é sempre um bom motivo para a escrita de algumas reflexões sobre a forma como andamos...!
Um país que atravessa uma série crise económica e também social. De valores acima de tudo.
Aquilo que me custa, e custa mesmo, é ter que descontar impostos (e acho que assim deve ser para bem de todos nós) e ver um sem número de pessoas a gastar dinheiro ao desbarato.
O que ganhámos nós com todas as festas concelhias que se verificam nesta altura? 150 a 200 mil euros de despesa das câmaras municipais e algum lucro em/para alguns estabelecimentos comerciais! Será o suficiente e adequado para que se justifiquem perante o actual cenário? Creio que a soma dos lucros (apenas o dinheiro) de 2/3 dias de festa, de certeza que não chega a 200 000 euros...
Mas, vamos fazendo isto com a desculpa de evitar um certo "pessimismo nacional".

Ando eu expectante sobre se algumas obras irão ou não ser inauguradas com pompa e circunstância...
No mínimo, para montar uma tenda, colocar o sistema de som devidamente funcional, arranjar uns aperitivos chamar uns jornalistas, gastam-se um 1000 euros! Será necessário? Não será mais nobre abrir o acesso ao público e deixar que a notícia corra e assim obter o DEVIDO reconhecimento do "povo"!? Estes euros podiam servir para alguns equipamentos que fazem falta! Enquanto em Portugal se achar que mil euros são despesas correntes, ...estamos mal!

Também, enquanto se achar e exercer política como a que se vê no Porto Formoso... estamos muito mal!!!!!!
Continua-se a dar "sacos de cimento" e "portões"! Pensava que já só o faziam nas autarquias municipais e com "máquinas de lavar ". Espero que só sejam "pequenos erros" e que não se repitam no futuro.
Não somos perfeitos, mas fomos/somos desenvolvidos para a reflexão e racionalidade!!!
É isso que espero de quem se "sufrage" a eleições, e é com isso que também me comprometo!

Quando é que o Regedor vai publicar o programa do Festival de Verão do Grupo Folcolórico do POrto Formoso?

Vão abrir um trilho no chá da Gorreana aproveitando o trilho do chá Porto Formoso estar fechado por casa das obras na estrada.

Há gente esperta e oportunista..........

adeus

Enviar um comentário

Locations of visitors to this page